Benefícios e Usos do Óleo de Rícino

O óleo de rícino ou óleo de mamona é um tipo de extrato vegetal multiuso, conhecido há milhares de anos. É feito a partir das sementes da planta Ricinus communis.

Essas sementes, conhecidas como mamona, contém uma enzima tóxica chamada ricina. No entanto, o processo de aquecimento que o óleo sofre desativa essas enzimas, permitindo que ele seja usado com segurança.

O óleo de rícino tem usos medicinais, industriais e farmacêuticos. É normalmente usado como um aditivo em alimentos, medicamentos e produtos de cuidados da pele, bem como um lubrificante industrial e componente de combustível biodiesel.

No antigo Egito, ele era queimado como combustível em lâmpadas, usado como remédio natural para tratar doenças como irritação nos olhos e até mesmo dado a mulheres grávidas para estimular o trabalho de parto (1).

Hoje, o óleo de rícino continua sendo um tratamento natural popular para condições comuns, como constipação e doenças de pele e é também muito usado em produtos de beleza natural.

Veja tudo o que você precisa saber sobre os benefícios e usos do óleo de rícino.

1.  Laxante natural

Talvez um dos usos medicinais mais conhecidos para o óleo de rícino seja como um laxante natural. É classificado como estimulante, o que significa que aumenta o movimento dos músculos que empurram o material através dos intestinos, ajudando a limpá-lo.

Os laxantes estimulantes agem rapidamente e são geralmente usados ​​para aliviar a constipação temporária.

Quando consumido por via oral, o óleo de rícino é decomposto no intestino delgado, liberando o ácido ricinoleico, o seu principal ácido graxo. Esse ácido é absorvido pelo corpo, estimulando esse efeito laxante (2).

Vários estudos mostraram que ele pode aliviar a constipação. Um exemplo é esse realizado com idosos, que após ingerir o óleo, experimentaram sintomas reduzidos do sintoma (3).

Enquanto o óleo de rícino é considerado seguro em pequenas doses, quantidades maiores podem causar cólicas abdominais, náuseas, vômitos e diarréia (4).

Embora possa ser usado para aliviar a constipação ocasional, ele não é recomendado como um tratamento para problemas de longo prazo.

O óleo de rícino pode ser usado como laxante natural, sendo útil no tratamento da constipação temporária. Com esse fim, deve ser usado em pequenas quantidades, já que o excesso causa cólicas abdominais e náuseas, entre outros sintomas.

2. Hidratante natural

Benefícios do óleo de rícino

O óleo de rícino é rico em ácido ricinoleico, um ácido graxo monoinsaturado.

Esses tipos de gorduras funcionam como umectantes e são usados ​​para hidratação. Eles retêm a umidade impedindo a perda de água através da camada externa da pele (5).

O óleo de rícino é bastante usado em cosméticos e muitas vezes adicionado a produtos como maquiagem, loções e produtos de limpeza. Você também pode usá-lo por conta própria como uma alternativa natural para hidratantes comprados em lojas.

Muitos produtos cosméticos contêm ingredientes potencialmente perigosos, como conservantes, perfumes e corantes, que podem irritar a pele e prejudicar a saúde em geral (5).

A troca desses produtos pelo óleo de rícino pode ajudar a reduzir a exposição a esses aditivos. Além disso, ele é barato e pode ser usado no rosto e no corpo.

Esse óleo possui uma textura espessa, por isso é frequentemente misturado com outros óleos benéficos ​​à pele, como óleo de amêndoa, azeite e coco.

Embora a aplicação à pele seja considerada segura para a maioria, pode causar reação alérgica em algumas pessoas (6).

O óleo de rícino contém propriedades que hidratam a pele, sendo uma alternativa natural a produtos cosméticos industrializados, que muitas vezes podem conter ingredientes prejudiciais à saúde.

3. Cicatrização de feridas

A aplicação de óleo de rícino às feridas cria uma textura úmida que promove a cura e evita que as feridas sequem.

Venelex, uma pomada popular usada em situações clínicas para tratar feridas, contém uma mistura de óleo de mamona e bálsamo do Peru, derivado da árvore Myroxylon (7).

O óleo de rícino estimula o crescimento do tecido, de modo que uma barreira pode ser formada entre a ferida e o ambiente, diminuindo o risco de infecção.

Também reduz o ressecamento e a cornificação, o acúmulo de células mortas da pele que podem retardar a cicatrização de feridas (8).

Um estudo analisou os efeitos cicatrizantes de uma pomada contendo óleo de rícino em 861 residentes de casas de repouso com úlceras por pressão.

Aqueles cujas feridas foram tratadas com a pomada apresentaram maiores taxas de cicatrização e menor tempo de cicatrização do que aqueles tratados com outros métodos (9).

O óleo de rícino também pode ser usada na cicatrização de feridas, já que estimula o crescimento do tecido da pele, diminuindo o risco de infecção. Também reduz o ressecamento e a cornificação.

4. Efeitos anti-inflamatórios

O ácido ricinoleico, o mais importante ácido graxo encontrado no óleo de rícino, contém incríveis propriedades anti-inflamatórias. Estudos têm demonstrado que ele diminui a inflamação e suaviza a dor.

Essas qualidades podem ser particularmente úteis para aqueles com uma doença inflamatória, como artrite reumatóide ou psoríase.

Estudos em animais e em tubos de ensaio revelaram que o ácido ricinoleico reduz a dor e o inchaço (10).

Um específico demonstrou que o tratamento com um gel contendo esse ácido levou a uma redução significativa na dor e inflamação quando aplicado na pele, em comparação com outros métodos de tratamento (11).

Além do potencial do óleo de rícino para reduzir a inflamação, ele pode ajudar a aliviar a pele seca e irritada nas pessoas com psoríase, graças às suas propriedades hidratantes.

Embora esses resultados sejam promissores, mais estudos em humanos são necessários para determinar os efeitos do óleo sobre condições inflamatórias.

O ácido ricinoleico, presente no óleo de rícino, possui propriedades anti-inflamatórias que também aliviam a dor. É um importante aliado a pacientes com psoríase, já que combate a inflamação e hidrata a pele.

5. Reduz a acne

A acne é uma doença da pele que pode causar cravos e espinhas cheias de pus no rosto e no corpo. É mais comum em adolescentes e adultos jovens e pode impactar negativamente a autoestima.

Acredita-se que a inflamação seja um fator no desenvolvimento e na gravidade dessa condição, portanto, aplicar o óleo de rícino na pele pode ajudar a reduzir esses sintomas (12).

A acne também está associada a um desequilíbrio de certos tipos de bactérias normalmente encontradas na pele, incluindo o Staphylococcus aureus (13).

Um estudo em tubo de ensaio constatou que o extrato do óleo de rícino apresentou considerável poder anti bacteriano, inibindo o crescimento de várias bactérias, incluindo a citada acima (14).

Ele também é um hidratante natural, por isso pode ajudar a acalmar a pele inflamada e irritada típica das pessoas com acne.

RComo a inflamação é um dos fatores para o desenvolvimento da acne, o óleo de rícino pode ser usado para combater essa condição da pele. Além disso, pesquisas mostraram que ele também inibe o crescimento de várias bactérias.

6. Combate fungos

Candida albicans é uma espécie de fungo que normalmente causa problemas dentários, como crescimento excessivo de placa, infecções nas gengivas e infecções do canal radicular (15).

O óleo de rícino tem propriedades antifúngicas e pode ajudar a combater esse fungo, mantendo a boca saudável.

Um estudo em tubo de ensaio constatou que ele eliminou a Candida albicans de raízes dentárias humanas contaminadas (16).

O óleo de rícino também pode ajudar a tratar a estomatite relacionada à prótese, uma condição dolorosa que se acredita ser causada pelo crescimento excessivo desse fungo. Este é um problema comum em pessoas idosas que usam dentaduras (17).

Outro estudo descobriu que a escovação e a imersão das próteses em uma solução contendo o óleo levaram a reduções significativas na Candida em idosos que usavam próteses (18).

O óleo de rícino mostrou combater a Candida albicans, um fungo que normalmente causa problemas dentários. Estudos mostraram que o óleo foi responsável por eliminar o fungo de raízes dentárias contaminadas.

7. Faz bem para o cabelo

Muitas pessoas usam óleo de rícino como um condicionador de cabelo natural.

A aplicação regular de gorduras como essa ajuda a lubrificar a haste capilar, aumentando a flexibilidade e diminuindo as chances de quebra (19).

O óleo de rícino pode beneficiar também quem tem caspa, uma condição comum do couro cabeludo caracterizada por pele seca e escamosa na cabeça.

Embora existam muitas causas diferentes para a caspa, ela tem sido associada à dermatite seborreica, uma condição inflamatória que causa manchas escamosas vermelhas no couro cabeludo (20).

Devido à capacidade do óleo de rícino de reduzir a inflamação, pode ser um tratamento eficaz para essa condição.

Além disso, aplicar óleo no couro cabeludo ajudará a hidratar a pele seca e irritada e pode ajudar a reduzir a descamação.

O óleo de rícino ajuda a lubrificar a haste capilar, aumentando a flexibilidade e diminuindo as chances de quebra. Além disso, ele também pode beneficiar quem possui caspa, já que reduz a inflamação e hidrata a pele seca.

Precauções

Embora o óleo de rícino seja geralmente considerado seguro, pode causar reações adversas e efeitos colaterais indesejados em algumas pessoas.

O que pode causar?
Motivo
Pode induzir o parto É usado por profissionais médicos para induzir o parto. Por essa razão, as mulheres em todas as fases da gravidez devem evitar seu consumo (21).
Pode causar diarréiaEmbora possa ser uma maneira eficaz de aliviar a constipação, você pode ter diarréia se tomar muito. A diarréia pode causar desidratação e desequilíbrio eletrolítico.
Pode causar reações alérgicas Primeiro, tente aplicar uma pequena quantidade em um pequeno pedaço de pele para ver como seu corpo reage (22).

Veja também:

Alimentos que Fazem bem para Pele

Benefícios da Banana para Saúde

Benefícios do Óleo de Coco

Receba seu boletim gratuito!

Coma mais inteligente e sem terrorismos com as melhores dicas e conselhos nutricionais entregues diariamente à sua caixa de entrada.

Dicas e Conselhos sobre Nutrição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *